Curitiba discute sua política de enfrentamento às drogas

CONFERÊNCIA

Na segunda-feira (30/06/2014), representantes da sociedade civil e do poder público discutiram e apresentaram propostas relacionadas às políticas sobre drogas. A 3ª Conferência Municipal de Políticas sobre Drogas de Curitiba elegeu representantes da sociedade civil para integrar o Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas de Curitiba (Comped), que promove o evento.

Fortalecer as políticas de redução de danos e desenvolver núcleos intersetoriais regionais sobre álcool e outras drogas foram algumas das propostas apresentadas durante a conferência, realizada no Centro de Formação Continuada da Secretaria Municipal da Educação, no Centro da cidade.

Os núcleos intersetoriais teriam o objetivo de elaborar ações de cuidado, qualificação, projetos de reinserção social e ocupacional com base na economia solidária, criação de cooperativas e outras frentes.

Na área de prevenção foram sugeridas ações intersetoriais que envolvam as principais esferas da sociedade, como entidades religiosas, iniciativa privada, entidades religiosas e comunidade em geral.

No total, dez propostas temáticas dentro dos eixos de estudo e pesquisa, legislação, prevenção, redução de ofertas e tratamento e reinserção foram apresentadas. Elas serão agora enviadas ao departamento de Política Sobre Drogas da Prefeitura de Curitiba.

Curitiba Cuida

No ano passado, a Prefeitura de Curitiba lançou a Rede Curitiba Cuida, que prioriza três frentes nas ações da Política Sobre Drogas. São elas a prevenção, o tratamento e a reinserção social. “Nosso foco não é a repressão, mas a prevenção e a inclusão social das pessoas. Não podemos perder um único jovem para as drogas”, disse o diretor da Guarda Municipal de Curitiba, Cláudio Frederico de Carvalho, durante a abertura da conferência.

A secretária municipal da Educação, Roberlayne Roballo, falou sobre a preocupação que o poder público municipal tem com seus 140 mil estudantes, as respectivas famílias e os 18 mil profissionais da educação.

“Trabalhamos fortemente no sentido de valorização da pessoa, desenvolvendo ações que melhorem a auto-estima e estimulem seus objetivos de vida”, disse a secretária. O acesso ao lazer, esporte e cultura também foram citados por ela como maneiras eficazes de prevenção às drogas.

O superintendente da secretaria municipal da Defesa Social, Osires Klamas, e o coordenador de Saúde Mental da Secretaria Municipal da Saúde, Marcelo Kimati, também participaram da abertura da conferência.

CONF CONFE