Curitiba debate políticas públicas para população idosa

Com o intuito de debater soluções para ampliar a inserção dos idosos nas atividades do dia a dia da sociedade, a 3ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa, que nesse ano tem como tema “O protagonismo e o empoderamento da pessoa idosa: por um Brasil de todas as idades”, teve início nessa quinta-feira (24) com a participação de representantes do poder público e sociedade civil. O evento é organizado pela Fundação de Ação Social (FAS) e pelo Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa (CMDPI).

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que a expectativa de vida em Curitiba é de 75 anos e que de 200 mil curitibanos têm mais de 60 anos. “Isso muda o perfil da cidade e precisamos planejar ações para receber esta população com qualidade de vida e dignidade”, disse o prefeito Gustavo Fruet, que participou da abertura da Conferência.

Segundo ele, nos últimos três anos Curitiba avançou nas políticas de inclusão para a pessoa idosa. “Recentemente instalamos o Cartão Inteligente, onde o tempo dos semáforos é ampliado para que o idoso possa atravessar as vias com tranquilidade. Uma ação simples que já ajudou a reduzir em 30% o número de atropelamentos. Também ampliamos o número de vagas para pessoas idosas que querem participar dos nossos grupos de alfabetização e isso já aumentou em 10 vezes a procura deste público por estes cursos. Estamos no caminho certo, mas há ainda muito o que fazer”, afirmou.

Já a presidente da FAS, Marcia Oleskovicz Fruet, aproveitou a ocasião para ressaltar o papel do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa (CMDPI), criado em Curitiba em 2006 e que, nos últimos anos, ajudou a aumentar os recursos encaminhados para o Fundo Municipal da Pessoa Idosa. “Tínhamos uma dívida histórica com a população acima dos 60 anos, que merece ser protagonista de suas vidas, agora, no presente. Sendo assim, o Conselho fez um trabalho muito importante no engajamento para a destinação do Imposto de Renda devido pelas empresas e pessoas físicas, que ajudou a aumentar em 3000% o volume de recursos direcionados ao fundo”, comemorou. Em 2012, o fundo contabilizava pouco mais de R$ 212 mil. Em 2013, este valor passou para R$ 284 mil. Em 2014, após campanhas realizadas pela FAS e apoio de profissionais contabilistas, o número ultrapassou R$ 10 milhões.

Este montante, de acordo com Marcia Fruet, possibilita que novos projetos e ações sejam criados para o cuidado da pessoa idosa. “Ainda este ano, vamos lançar o projeto de cuidador em domicílio [em caráter experimental no Bairro Novo], para que idosos com um grau de dependência maior possam ser assistidos em seu ambiente familiar, através de um trabalho integrado da Assistência Social e da Saúde. Além disso, também vamos inaugurar uma unidade exclusiva para o atendimento ao idoso em situação de rua. Isso é muito importante para Curitiba, pois mostra o respeito e a preocupação com pessoas que sempre contribuíram para o desenvolvimento da nossa cidade”, disse.

Participação de idosos

Além da participação de representantes de órgãos públicos e entidades ligadas ao atendimento e a garantia de direitos da população idosa, muitas pessoas que utilizam os equipamentos públicos com atividades voltadas para este público também participam da Conferência Municipal.

Catarina Sinhori Batistel, 88 anos, faz yoga, teatro, ginástica e coral no Centro de Atividades para Pessoa Idosa (CATI) Boqueirão, era uma das mais animadas. Pela terceira vez consecutiva ela participa da Conferência Municipal como delegada, ou seja, vai poder deliberar e propor ideias para melhorar o atendimento à pessoa idosa na cidade. “Importante é manter o espírito jovem e ter menos conversa e mais ação. Espero contribuir para que o dia a dia do idoso tenha maior qualidade de vida e que nossos direitos sejam defendidos e sempre lembrados”, afirmou.

A conferência acontece nesta quinta (24) e sexta (25) no bloco bege da Universidade Positivo e também vai eleger os delegados representantes de Curitiba na Conferência Estadual e Nacional da Pessoa Idosa.