Encontro reúne em Curitiba gestores da Assistência das maiores cidades do Brasil

Nesta terça-feira (17) gestores da área de Assistência Social de quatorze das maiores cidades do Brasil se reuniram em Curitiba para participar do “I Encontro das Metrópoles”, promovido pelo Colegiado Nacional de Gestores Municipais da Assistência Social (Congemas). O primeiro encontro tem como tema o aprimoramento do Sistema Único de Assistência Social (Suas), que completou dez anos em 2015, principalmente no que se refere às realidades dos grandes centros urbanos.
De acordo com a presidente da Fundação de Ação Social (FAS), Marcia Oleskovicz Fruet, que também é coordenadora de Metrópoles do Congemas, o evento é importante por reunir pela primeira vez representantes das metrópoles e dos governos estaduais e federal. “Depois de dez anos de Suas, o momento é de avaliação e repactuação de alguns serviços. As metrópoles têm suas especificidades e, por serem referências para outros pequenos municípios, é essencial que a gente discuta a importância do cofinanciamento dos serviços, pois o que acontece hojeé que a grande maioria dos atendimentos é custeada exclusivamente pelas cidades”, salientou.
Presente no encontro, o presidente do Fórum Nacional dos Secretários Estaduais da Assistência Social, André Quintão, secretário do Desenvolvimento Social de Minas Gerais, reconheceu a necessidade de mudança na participação dos estados na área social. “Muito se discute sobre a aplicação dos Suas nas metrópoles conforme as especificidades de cada região e realmente os Estados ficaram muito aquém de suas responsabilidades. Precisamos romper com isso, pois o estado tem um papel importante não apenas no cofinanciamento, mas também na integração dos serviços”, disse.
A ideia é que deste primeiro evento, que acontece até quarta-feira (18), surja um documento oficial que será encaminhado ao governo federal, reiterando as principais dificuldades e apontando soluções possíveis no diálogo entre os entes federativos.
Para a secretária nacional de Assistência Social, Ieda Castro, também presente no encontro, este é o momento de se rediscutir a implementação do Suas nas cidades. “Precisamos escutar como as cidades estão se reorganizando e nos planejar para as diferentes realidades. Já é clara a necessidade de criarmos mecanismos de articulação entre estados e municípios e principalmente investir na articulação entre as políticas públicas”, reforçou.
Territórios diferentes, desafios iguais
Durante a programação desta terça-feira, foi possível conhecer a realidade de algumas metrópoles que, em sua maioria, enfrentam problemas semelhantes. Foi o caso de Teresina (PI) e Porto Velho (RO). Apesar dos dois municípios terem menos de 900 mil habitantes, no caso dos atendimentos socioassistenciais este número praticamente dobra, pois as duas cidades acabam atendendo pessoas de municípios vizinhos. “Para nós é fundamental conhecer o que as outras cidades estão fazendo para planejar seus atendimentos para que também consigamos qualificar os nossos serviços”, disse Mauriceia Ligia Neves da Costa, secretária de Assistência Social de Teresina.
Já Porto Velho, que tem pouco mais de 500 mil habitantes, enfrenta o desafio da extensão territorial, com alguns de seus distritos distantes até 400 quilômetros do centro da cidade. “Temos uma população que está sendo diretamente impactada pela construção de hidrelétricas e a demanda é muito grande. Discutir o Suas e a Assistência é importante para que possamos planejar e replanejar o nosso município”, afirmou Solano de Souza Ferreira, secretário de Assistência Social de Porto Velho.