Evento lança campanha de doação do imposto de renda devido para fundos sociais

Contadores, técnicos em contabilidade, empresários e representantes de entidades empresariais de Curitiba estiveram reunidos na manhã desta terça-feira (15) em um café da manhã no Salão Nobre da Prefeitura de Curitiba para conhecer a nova edição da campanha publicitária que incentiva a doação de parte do imposto de renda devido de pessoas jurídicas para os Fundos Municipais da Criança e do Adolescente (FMCA) e da Pessoa Idosa (FMPI), realizada pela Fundação de Ação Social (FAS) e Conselhos Municipais de Direitos da Criança e do Adolescente de Curitiba (Comtiba) e da Pessoa Idosa (CMDPI). Os empresários brasileiros têm até o dia 30 de dezembro para destinarem até 1% do imposto de renda devido sobre o lucro real da empresa diretamente para os fundos.

Para o prefeito Gustavo Fruet, que participou do encontro, o aumento dos recursos encaminhados aos fundos nos últimos anos está diretamente ligado à participação dos contabilistas. “Este é um sinal de confiança e um exemplo de como o poder público pode trabalhar lado a lado com a sociedade. Os fundos garantem que o apoio necessário chegue a quem mais precisa”, reforçou.

O prefeito lembrou que no caso da pessoa idosa, Curitiba já tem mais de 140 pessoas com mais de 100 anos de idade e a pirâmide da faixa etária está cada vez mais elevada. Por isso, segundo ele, é necessário que as políticas públicas para este público sejam planejadas a longo prazo.

O FMPI, inclusive, foi um dos que mais cresceu nos últimos anos. Enquanto em 2012 o fundo contabilizava pouco mais de R$ 212 mil, em 2013 este valor passou para R$ 284 mil. Em 2014, após a primeira edição da campanha promovida pela FAS e com apoio de profissionais e entidades contabilistas, o valor arrecadado ultrapassou R$ 10 milhões.

“É importante ressaltar que os empresários podem fazer a doação tanto para o Fundo da Criança e do Adolescente como para o da Pessoa Idosa e ter a tranquilidade de que todo o processo será transparente. Os recursos são geridos por conselhos municipais de direitos, com participação paritária entre órgãos públicos e sociedade civil, que fiscalizam, deliberam e analisam quais são os projetos prioritários em cada área”, disse a presidente da FAS, Marcia Oleskovicz Fruet.

De acordo com a presidente do Conselho Regional de Contabilidade do Paraná, Lucélia Lecheta, existe muito potencial de arrecadação para os fundos, mas muitos empresários têm medo de caírem na malha fina da Receita Federal. “Este é um mito que existe e, por isso, em parceria com a Receita Federal, vamos promover palestras de orientação para os contadores explicando que não há nenhum risco de cair na malha fina por efetuar doações para os fundos”, explicou.

Um levantamento da Receita Federal mostrou que os curitibanos poderiam doar até R$ 108 milhões a projetos sociais sem gastar um centavo a mais do que o já destinado ao Leão. Para saber mais, acesse: http://www.fas.curitiba.pr.gov.br/conteudo.aspx?idf=1180.